O ataque fora de tempo dos EUA à Síria

 

Já tantos maldades foram praticadas por Bashar al-Assad para se manter no poder na Síria, já tantas pessoas sofreram tanto, tantas outras morreram, tem sido horrível, e só agora Donald Trump, acordou para esta tragédia? Se bem que, quanto a esta matéria, Obama não se portou como devia, com tanto medo que teve de meter os EUA noutro conflito como o do Iraque — neste foi um erro irremissível de George W. Bush — não fez com a Síria o que deveria ter feito, e talvez hoje tudo não estivesse tão mau, como está. Agora, que foi mais divulgado, algo que não é a primeira vez que acontece, um ataque com armas químicas a 4 de Abril matou mais de 80 civis ordenado por Bashar al-Assad, Donald Trump reage e contra-ataca! E a Rússia de Putin que está ao lado, sempre, de Bashar al-Assad, e que era um “aliado “ preferencial de Donald Trump, deixou de o ser? Momentaneamente? Para agradar à opinião pública americana, quando Donald Trump está numa fase interna menosboa? Com todo o narcisismo do Donald tudo é possível, tudo que hoje é verdade amanhã é pós-verdade! Mais twitter, menos twitter.

Mas está feito! Trump ordenou um ataque com mísseis a uma base aérea síria, em Homs para destruir o arsenal que a 4 de Abril tinha sido base para mais uma atrocidade de Bashar al-Assad.
E, como Donald Trump é totalmente imprevisível e defensor pioneiro do seu narcisismo, e, depois de tudo o resto, a Coreia do Norte poderá, agora, ter que se sentir menos confortável, face aos lançamentos que tem feito e ameaça continuar a fazer, de misseis balísticos e testes nucleares, que podem “supostamente “ atingir os EUA. E mesmo estando ainda de vista oficial aos EUA, o Presidente da China XI Jiping, amigo da Coreia do Norte — essencialmente por querer “evitar” a unificação das Coreias que seria prejudicial aos planos da China de hegemonia de Ásia/Pacífico – tudo pode ser possível, até para os EUA se continuarem a sentir os primeiros, ainda, em tudo. Esperemos o desenrolar dos acontecimentos, e esperemos que não hajam — muitas — mais vítimas civis e inocentes, nesta trapalhada de “tantos” poderosos, de fabricantes “mundiais” armamento, de falsos defensores da Humanidade!

 

© Augusto Küttner de Magalhães, 8/04/2017