Obama falhou por defeito e agora é tarde

 

Obama recebeu antes de tempo o Premio Nobel da Paz, dado que na altura nada havia feito que o merecesse. Depois, com medo de fazer o que o Bush filho fez no Iraque não pôs  “the boots on the ground” na Síria, ou seja, quando tudo se começou a desconjuntar com Assad não quis intervir. Se o tivesse feito talvez não tivesse o Daesh chegado ou que chegou e a Rússia não ficasse como hoje está. A Rússia, hoje, sem dinheiro parece e é uma potência bélica a recear. Como não é Putin que pode morrer, os seus soldados e não só, podem-lhe fazer o jeito, até em aviões talvez  não  estivessem em totais condições de bem voar! E aqui Obama também se distraiu com a invasão e posse da Crimeia por Putin, mesmo sendo aqui na Europa, os EUA perderam uma oportunidade de “ajudar” a não chegar ao que chegámos. Putin tomou conta da Crimeia e amarfanha a Ucrânia sem qualquer problema, venham mais Geórgia (s)! Depois, Obama que anunciou Guantánamo fechar, ainda lá está para o Trump mandar assassinar quem lhe aparecer.

E, agora, depois da vitória desastrosa do Trump, para a Presidência dos EUA, vir  — Obama  —  dar uma entrevista em que refere que se pudesse candidatar-se pela terceira  vez, ganharia, parece um pensamento de uma criança que ainda não conhece a vida ou de alguém que se acha insubstituível. Quanto a insubstituível, foi um facto por terem no Partido Democrático escolhido Hillary Clinton  em vez de Bernie Sanders. Quanto a criança, é normal terem uma imaginação prodigiosa. Ficaram “coisas” importantes por serem feitas a tempo pelo Obama, que criou enormes simpatias cá no Ocidente, e que, de facto, foi um Presidente dos EUA culto, consensual, simpático, mas ficou por fazer  o que atrás se refere e hoje deixa tudo em aberto para Trump destruir.

Quanto a Israel e Palestina, deixou tudo em banho-maria na ONU, nunca o seu País permitiu deixar passar uma proposta com esta “agora” e ao mandar o seu embaixador abster-se, claro que foi o mesmo que dizer a Trump para fazer rapidamente o contrário. No dia 20 de Janeiro vamos ver Trump a desfazer estas coisas de última hora feitas pelo Obama, e depois o resto! Obama, claro que foi uma Pessoa que fez a diferença na Presidência dos EUA e sendo democrata não deixou de seguir e bem a linha de Bill Clinton. Mas se este ficou com a fama e se calhar proveito de “gostar de mulheres, até estagiárias”, que é um problema que tem a resolver ou não com Hillary , Obama vai ficar como quem não fez a tempo o que talvez devesse ter feito.

Claro que é fácil dizer mal. Claro que tinha o Senado Republicano contra si mas conseguiu o ObamaCare, e talvez tivesse conseguido mais na Síria e em Israel. E de qualquer forma não parece lógico vir agora, quase em desespero de causa, falar no impossível ou seja “se, se” candidatasse pela terceira vez ganhava. Os “se” são e serão sempre uma incógnita. Com a imbecibilidade patente de Trump, talvez o que Obama a partir de agora deva fazer é ficar calado e talvez escrever um livro sobre o que foram e não foram os dois mandatos de Presidência dos EUA, mas errou em alguns aspectos  que  já não vai em tempo de emendar.  Obama podia ter feito mais e melhor,  agora é tarde pois  a maior potência mundial vai ter o “desvairado” Trump à sua frente.

 

© Augusto Küttner de Magalhães, 29/12/2016