E se Bernie Sanders não perdesse as eleições primárias nos EUA?

Speakers' Corner - Augusto Küttner de Magalhães

 
A cinco meses das eleições presidenciais — 8 de Novembro próximo  — nos EUA ainda não está escolhido, pelos delegados do Partido Democrata, se será de facto Hillary quem vai concorrer com o Sr. Trump dos Republicanos. Claro que o “establishment” e muitos “lobbies” assim o desejam, mas grande parte da população não está ainda convencida. Sinal de que afinal a População Americana pensa e ainda não foi obrigada a que outros por si decidam. Assim, quando se agregam nas sondagens de todos os inquiridos (Republicanos e Democráticos), Sanders recolhe 41% de opiniões favoráveis e 33% desfavoráveis, e entre os três, Trump, Hillary e Sanders, este fica sempre à frente, respectivamente, do primeiro 55 % contra 26%, da segunda 52% contra31%. Curiosamente as sondagens entre Hillary e Trump, ainda não são conclusivas: num caso, a primeira com 47% contra 41% do segundo, noutra 42% contra 45%.

A proposta de Trump, de deportar 11 milhões de imigrantes incluindo os filhos já nascidos nos EUA, bem como a acusação a Hillary de ser a extensão dos especuladores de Wall Street na Política, fazem-lhe baixar os índices de popularidade. Trump é mal visto pelas mulheres, tendo no eleitorado feminino apenas 21% das inquiridas ao seu lado, e com uma opinião desfavorável estão 60%, e o desagrado dos eleitores jovens, negros e asiáticos ainda é maior. Mas a maioria dos eleitores Republicanos, exige que os chefes do Partido apoiem Trump. Hillary pelo contrário é impopular junto dos homens, só 26% tem opinião favorável, e pelos eleitores brancos só 23% favoráveis. Assim, apesar de muitos mais delegados democráticos estarem com Hillary, a desistência que parecia evidente de Bernie Sanders ainda não é uma realidade. Em capacidade de liderança tanto Trump como Hillary estão bem, o primeiro com 55% e a segunda 54%.

Será muito difícil — por certo totalmente impossível  — Sanders ganhar a Hillary e ser o candidato Democrático contra o Republicano, Trump. Impossível. E se assim for, como as sondagens entre Clinton e Trump estão muito iguais, pode Trump vir a ser em Janeiro de 2017 o PR dos EUA. Não será nada bom! Se tal vier a acontecer, o panorama democrático dos EUA é capaz de sofrer muito e evidentemente todo o mundo  — ainda estamos a falar da maior potência mundial  —, e nós Ocidentais e nos Europa Desunida em que o Tratado Transatlântico (TTIP) já não é fácil ser compreendido hoje, que fará ser for com Sr. Trump. Gravíssimo a Democracia estar a falhar por todos os lados, dado que tudo o resto, é muitíssimo pior!

© Augusto Küttner de Magalhães, 20/05/2016