Os bombistas e o Daesh não representam os muçulmanos

Speakers' Corner - Augusto Küttner de Magalhães

 

Mais uma situação previsível e não resolvida em tempo, que faz com que “bombistas/assassinos” se confundam com Muçulmanos. E, é muito grave quando se fazem, não poucas vezes, assumidamente ou por total desconhecimento das realidades, estas confusões.  Todos somos culpados – num tempo de desresponsabilizados – que “isto” esteja a acontecer. Os jihadistas, os adeptos do Daesh, antes Al-Quedas, são bandos de doidos que matam para servir o seu “ego”, para serem notados, por fanatismo. Mas também por não terem projectos, nem objectivos de vida. E fazem-no com armas que não são por eles fabricadas, mas sim, por Russos, ou por Ocidentais – todos  – não esquecer! E convirá não querer tão facilmente, também, esquecer que demasiadas Pessoas do Ocidente, que estão implicadas no Daesh, nestas horrendas mortes que já vêm por todo o mundo a acontecer, mas agora dão mais nas vistas por estarem a ocorrer em plena Europa.

Mas no Líbano, no Afeganistão, em Israel, na Líbia, na Nigéria, e mais neste planeta Terra, “isso” é normal, dentro da normalidade a que imbecibilidade humana possa chegar. E é o que está a acontecer. E demasiados fanáticos, doidos, assassinos, bombistas, são Pessoas com origem na Europa, no Ocidente, até no nosso País, que se entretém a ver filmes de Islamismo fanático descontrolado, que os faz achar virem a conseguir ser heróis, por não terem mais nada de futuro nas suas vidas. Convirá evitar, estar a confundir estes doidos com os Muçulmanos. Convirá não disfarçar que em Israel – um Estado criado pelos britânicos no pós segunda Guerra, para se livrarem dos Judeus – , locais, são assassinados à facada por doidos que se albergam atras do Islão.

Convém perceber-se que andamos todos, a continuar a fazer de conta, a não encarar a realidade. Como estamos a proceder é muito mais fácil, mesmo muito mais fácil, mas muito mais perigoso e com consequência gravíssimas. A Europa continua a ajudar à confusão, e neste momento em que cada País europeu vai achando que pode mandar uns aviões dar tiros sobre o Daesh, não vão orientados numa base coordenada e unificada, mas vai cada um por si, até com o risco de um destes dias ainda haver por lá um acidente aéreo, que já não entre Russos e Turcos. Que raio de União é esta? Que raio de Europa estamos a demolir?As polícias secretas europeias em vez de serem unidas, trabalham orgulhosamente de costas, a guardar os seus segredinhos. E tantos, mas tantos, mal acontece um atentado propagam a ideia de que são muçulmanos que são os maus da fita, os outros todos, somos nós, os bons.

Propositadamente, confunde-se tudo. Aparece um doido americano, que deve demorar umas boas horas por dia a pentear-se, a pretender candidatar-se pelo Partido Republicano à Presidência dos EUA , a dizer que expulsa muçulmanos, que expulsa quem não seja bem branco, que as mulheres são para dar prazer aos homens, e tudo bem. Ou vamos fazer todos para ser a solução, ou vamos todos aumentar um problema que pode ficar sem resolução. E relembrando à frase de Einstein, se houver uma III Guerra Mundial, a IV Guerra Mundial já será só com paus dado que tudo ficou, totalmente destruído. Estamos a destruirmo-nos, a baixarmos a nossa categoria do “ser” mais importante que existe à face da Terra ao mais baixo, e felizes e contentes, por nos guerrearmos sempre e só, imbecilmente!

 

© Augusto Küttner de Magalhães, 4/11/2015