O adiamento do “Brexit” prejudica a União Europeia

O Reino Unido entrou numa fase de descontrolo após David Cameron ter dado o  “poder ao povo” num referendo mal calculado. O resultado foi o inverso que o próprio pretendia e ninguém ainda conseguiu encontrar o rumo político.  Aceitar agora um novo adiamento “Brexit” depois de três anos de hesitações entre o fica, ou sai, já não é só dar tempo aos britânicos, mas prejudicar a União Europeia. Não há mais paciência para as hesitações britânicas, nem para esperar que um eventual segundo referendo resolveria não se sabe bem o quê!  A União Europeia não deve usar mais tempo, nem recursos, para se desgastar com o Reino Unido. Há muito mais a fazer e a tratar do que saber se o Reino Unido fica ou sai. Continuar assim — no talvez possa sair, ou talvez possa ficar — não é solução!

Nesta altura,  mais um adiantamento do “Brexit” é prejudicial para a União Europeia. Não faltam problemas sérios para enfrentar. E a Europa não precisa de mais trapalhadas dado já estar metida em tantas das quais não sabe sair! Há uma imperiosa necessidade de defender a Europa que ainda existe perante o perigo de ficar uma relíquia do passado e vulnerável no mundo.  Não deveríamos querer — nem permitir — que isso venha a acontecer, mas se desaproveitarmos mais tempo em negociações estéreis será esse o resultado. Chegou a hora de virar a página do “Brexit” e de o Reino Unido sair no dia 31 de Outubro. Cabe a responsabilidade aos Estados-membros, ao Parlamento Europeu e à  Comissão  de evitarem mais males para  a União Europeia,  de preservarem o que existe e melhorá-lo. Não de se deixarem arrastar para um “Brexit” interminável.

© Augusto Küttner de Magalhães,  20/10/2019